Codhab recebe reivindicações de cooperativas

Representantes do Movimento Habitacional do Distrito Federal entregaram nesta quinta-feira ao presidente da Codhab, Gilson Paranhos, uma pauta com cerca de 50 reivindicações. Eles se queixaram da demora no encaminhamento de propostas de editais vencidas pelas cooperativas, da falta de política habitacional destinada aos servidores públicos do DF e, entre outros, da demora da regularização dos condomínios situados no Riacho Fundo, Recanto das Emas e no Gama. Estavam presentes os presidentes de 66 cooperativas.

O presidente da Codhab reconheceu que a maioria dos pedidos está bem fundamentada. Ele pediu aos presentes que passem a atuar em conjunto, de forma que a Codhab possa atuar no interesse da maioria e não de entidades desvinculadas do grupo. Há no Distrito Federal 488 cooperativas credenciadas à Codhab. Paranhos lamentou as dificuldades enfrentadas pelos programas de habitação de interesse social. "O que penso dos programas habitacionais, é que nós temos de multiplica-los por seis", comentou. Ele defendeu a iniciativa de priorizar o atendimento à faixa 1 da população, dirigida à população de baixa renda.. "Não dá para atender só as faixas 2 e 3, quem mais precisa tem, sim, de ter prioridade na obtenção da casa própria", argumentou.

A faixa 1 atende às famílias com renda mensal de até R$ 1.600,00, enquanto que nas faixas 2 e 3, a renda familiar chega a 12 salários mínimos, equivalente hoje a R$ 9.456,00. A pedido das cooperativas, Paranhos solicitou à Diretoria de Produção Habitacional que relacione os editais já lançados para construção de moradias e os que estão pendentes. Ele comentou no encontro a diferença da qualidade dos empreendimentos em curso ou já entregues. Explicou que daqui para frente as obras terão um acompanhamento mais constantes a fim de que os proprietários não venham a enfrentar problemas facilmente corrigidos na fase da construção.

Paranhos informou sobre a iniciativa de publicar na página da Codhab, em abril, a relação dos primeiros 30 mil colocados na lista de habilitados. Ele pediu a todos que denunciem sobre candidatos que não atendem às regras do Programa Morar Bem. Ou seja, os que já tiverem ou que têm imóveis, aqueles cuja renda superar o teto previsto em cada uma das faixas ou que moram a menos de cinco anos no DF. Citou como exemplo o caso de uma candidata habilitada, cuja análise no cadastro mostrou que seu marido recebe um salário mensal de R$ 17,5 mil. "Os que não atenderem às exigências têm de sair da lista, os que já têm sua casa própria não podem continuar disputando a casa de quem ainda não tem", destacou. O presidente da Codhab endossou o pedido das cooperativas para que elas tenham uma lista própria divulgada na Internet, a fim de que não haja "confusão" na distribuição dos imóveis.

Entre os pedidos das cooperativas há, ainda, o de elaborar e publicar o edital de chamamento de quadras da Cidade Ocidental e de dar cumprimento ao edital de 2005 do Recanto das Emas, entre outros.

VOLTAR AO TOPO