Foto sem descrição

Codhab ganha prêmio nacional por adotar concurso público em projetos de habitação

Por apostar na modalidade de concurso público para projetos de arquitetura destinados a moradias, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (CODHAB) receberá, pela primeira vez, o prêmio nacional do Selo de Mérito da Associação Brasileira de Cohabs e Agentes Públicos de Habitação.

O reconhecimento será feito durante o Fórum Nacional de Secretários de Habitação e Desenvolvimento Urbano, de 21 a 23 de agosto, em São Paulo.

Na categoria em que concorreu com outros 14 inscritos —Ações, Planos e/ou Programas de Habitação de Interesse Social —, a companhia do DF está entre os cinco vencedores (não há colocação entre eles).

Para o diretor-presidente da CODHAB, Gilson Paranhos, a escolha por concurso público é um meio efetivo de enfrentamento à corrupção: “Para comprar uma caneta, você sabe o que é. Em um projeto, você compra algo antes do objeto. Quando não se faz por concurso público, não se sabe o que está comprando”, exemplifica.

Desde 2015, segundo Paranhos, toda contratação de projetos da companhia — um total de 10 — é feita por meio de concurso público.

Arquiteta e assessora técnica da associação que promove o selo, Cecília Parlato afirma que todos os anos as categorias são adequadas de acordo com as demandas do setor de habitação social.

Para ela, o mérito da CODHAB está nos melhores resultados alcançados com a modalidade concurso público.

Segundo Cecília, essa categoria é essencial por revelar ideias capazes de mudar a realidade. “Geralmente, as companhias pegam um funcionário, que faz um projeto e pronto. O concurso público quer mudar isso. Quer dar mais qualidade de habitação”, opina.

Um dos fatores que influenciam na qualidade do que será entregue à população é a concorrência. “Em uma licitação, aparecem uns cinco concorrentes. No concurso, são cerca de cem”, compara o diretor-presidente da CODHAB.

A comissão julgadora do selo foi formada por seis instituições: Ministérios das Cidades e do Planejamento, Caixa Econômica Federal, Conselho de Arquitetura e Urbanismo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília e Câmara Brasileira da Indústria da Construção.

No fórum, todos os projetos vencedores serão apresentados em mesas de discussão. A proposta é que haja uma troca entre os representantes de todo o País e que as melhores ideias e práticas sejam difundidas.

 

Fonte: Agência Brasília

VOLTAR AO TOPO