Foto sem descrição

Gilson Paranhos faz palestra na Codeplan sobre habitação em Brasília

“Com o ritmo de crescimento populacional de 70 mil pessoas por ano no DF, o déficit habitacional de nossa cidade só seria sanado em 91 anos”. Foi o que afirmou o presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional (CODHAB), Gilson Paranhos, em palestra nesta quinta-feira (25), na Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). 

De acordo com Paranhos, em 16 anos haverá mais 800 mil pessoas morando em Brasília e, para suprir essa necessidade, será preciso construir cerca de 228 mil unidades habitacionais. “Tendo em vista que a entrega média dos últimos governos foi de 2.500 moradias por ano, vemos que o problema está muito longe de ser resolvido. Por isso acredito que não é o governo, sozinho, que conseguirá zerar o déficit habitacional”, afirmou. 

Nesse sentido, o presidente da CODHAB defende que o poder público só atenda às faixas 1 e 2 de renda. Segundo ele, os candidatos das faixas com maior poder aquisitivo têm condições de arcar com financiamentos diretamente com agentes financeiros e incorporadoras. 

Paranhos também levantou a questão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT) e outros entraves normativos. Para ele, o PDOT precisaria ser mais flexível e de acordo com a realidade porque não leva em consideração o grave problema de densidade demográfica enfrentado pelas cidades do DF.

“As densidades são absurdamente baixas com relação ao que precisamos e o espraiamento, por outro lado, é muito grande. Com isso, o custo para viabilizar a infraestrutura necessária nas cidades é altíssimo”, explicou. 

A realização de concursos públicos para projetos arquitetônicos e a oferta de assistência técnica gratuita nas cidades para melhorias habitacionais e infraestrutura urbana, ambas iniciativas tocadas pela CODHAB em sua gestão, também foram abordadas na palestra.  

 

VOLTAR AO TOPO